23 de Julho de 2024

cotações: DÓLAR (COM) 5,57 / EURO 6,07 / LIBRA 7,20

variedades Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021, 12:27 - A | A

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021, 12h:27 - A | A

BIZARRO

Mulher morde e arranca língua de homem, que é comida por gaivota

Megacurioso

1

Bethaney Ryan (Fonte: Edinburgh Evening News/Reprodução)

 

Uma audiência realizada na última quinta-feira (18) em um tribunal de primeira instância da cidade de Edimbugo, na Escócia, chamou a atenção pela violência do incidente e pela bizarrice de seu desdobramento: uma mulher arrancou a mordidas pedaço da língua de um homem, que em seguida foi devorada por uma gaivota.

O fato ocorreu em 1º de agosto de 2019. Segundo o relatório da polícia, Bethaney Ryan, de 27 anos, entrou em uma discussão com um desconhecido, depois identificado como James McKenzie. Segundo o periódico Edinburgh Evening News, este senhor partiu para cima de Bethaney com “o punho cerrado”.

A moça teve então uma reação paradoxal: chamou o homem para si e beijou-o na boca. Em seguida, aproveitou a aparente carícia para morder violentamente, e arrancar um pedaço da lingua de James, que segundo a promotora Susan Dickson, tinha 3 por 2 centímetros de extensão.

Confuso com o sangue, o homem acabou cuspindo o pedaço da língua no chão, ocasião em que uma gaivota mergulhou, tomou o fragmento muscular no bico e o devorou de pronto, o que tornou, conforme a promotora Dickinson, uma possível cirurgia de reconstrução impraticável.

Levado ao hospital, McKenzie foi tratado apenas por “laceração na língua”, com o único objetivo de “estancar o sangramento”, uma vez que que qualquer tentativa de cirurgia seria inócua, pois o pedaço da língua já havia sido levado e consumido pela gaivota. Enquanto isso, a polícia prendia Ryan.

O advogado de Bethaney Ryan, Neil Martin, afirmou que o ataque de sua cliente, em Lochend, Edimburgo, pode ser chamado de “um incidente muito estranho como um todo”, mas disse que irá reservar seu pedido de atenuação da sentença para a audiência final de condenação.

O xerife principal (nome dado na Escócia ao juiz de primeira instância), Nigel Ross, afirmou que “devido à gravidade do incidente”, ele não poderia emitir a sentença imediatamente, necessitando preparar os relatórios, o que ocorrerá até o final deste ano.

Ryan, por sua vez, declarou-se culpada da acusação de agressão a James McKenzie, para a qual atraiu-o, beijou e arrancou parte de sua língua, causando lesão grave e desfiguração permanente.

Nossas notícias em primeira mão para você! Link do grupo MIDIA HOJE: WHATSAPP



Comente esta notícia