23 de Julho de 2024

cotações: DÓLAR (COM) 5,57 / EURO 6,07 / LIBRA 7,20

variedades Segunda-feira, 05 de Julho de 2021, 11:59 - A | A

Segunda-feira, 05 de Julho de 2021, 11h:59 - A | A

CUIDAR DO CORPO

Pele viçosa e colagenada: conheça a proteína da jovialidade

Correio Braziliense

(crédito: Valdo Virgo/CB/D.A.Press)

 

Desejo da maioria dos homens e mulheres que já passaram dos 35 anos, ter uma pele viçosa, firme e jovial depende de diversos fatores. Um deles, e talvez o que desperte mais a curiosidade de todos, é o colágeno. Essa proteína fornece sustentação e elasticidade para a derme e é responsável por 30% do total de proteínas de todo o nosso organismo. Além disso, ajuda a sustentar os órgãos e é parte importante da estrutura dos dentes e ossos.

A servidora pública Marta Curcina, 46 anos, conta que, com o passar do tempo, começou a perceber a pele mais opaca, desidratada. Incomodada, foi ao dermatologista e passou a fazer reposição de colágeno.

“Há mais de seis meses, uso o sachê oral todos os dias e faço a bioestimulação por meio de aparelhos, manuseados pela dermatologista, na área dos olhos”, explica. “Percebi um brilho mais natural na pele, que reflete em meus cabelos e unhas. Até uma dor no braço, que estava me incomodando, eu senti alívio”.

Além disso, o período de isolamento fez Marta ter um olhar diferente e mais atento para si mesma e as próprias necessidades. “A pandemia nos trouxe algumas lições. Devemos nos cuidar. E esse cuidado com a minha pele me fez ocupar um espaço que estava precisando ser preenchido e que faz o tempo passar”, afirma. “Estou feliz com os resultados. Nada foi agressivo.”

A médica dermatologista Thaís Bittencourt Teles explica que a melhora esperada com a reposição oral da proteína é discreta e difusa. “Eu considero que vale a pena a reposição de colágeno oral à medida que se entende a limitação do seu uso, diante da tendência genética individual de cada paciente e também dos hábitos de vida que podem estar acelerando ou retardando o processo. O que quero dizer é que, sozinha, a reposição de colágeno não faz milagres”, alerta a profissional.

“Já o uso injetável de alguns compostos atuam mais intensamente e focalmente no estímulo de colágeno da região aplicada. Chegam a aumentar as fibras colágenas em 50% a 60% após seis meses da aplicação. Tecnologias como ultrassom microfocado também têm sido cada vez mais usadas”, acrescenta.

O que é

A palavra colágeno vem do grego kólla, que quer dizer cola, em português. É uma proteína fundamental ao nosso corpo, que conta com mais de 20 tipos de colágenos diferentes. Está presente nos tendões e ligamentos e também ajuda a sustentar os órgãos, além de ser parte importante da estrutura dos dentes e ossos. Já na pele, ele dá resistência, elasticidade e firmeza, representando cerca de 70% do total de proteínas presentes.

Diminuição gradual

Após os 25 anos, nosso corpo diminui a produção de colágeno naturalmente, mesmo em pessoas saudáveis. Por ano, perdemos cerca de 1%, e esta perda tende a piorar na menopausa, no caso das mulheres. Estudos demonstram que cerca de 30% do colágeno pode ser perdido nos primeiros cinco anos após a menopausa. Depois, o declínio é mais gradual, com redução de 2% ao ano, pelos próximos 20 anos.

Sintomas

Os sinais da falta de colágeno no organismo incluem flacidez, no caso da pele, quando o nível da proteína já diminuiu bastante. Já a diminuição do colágeno nas articulações pode provocar dores articulares e perda de massa magra. O sistema osteomuscular também sofre com essa degradação, podendo evoluir para artrite e artroses.

Prevenção

Os hábitos de vida, como exposição solar, tabagismo, ingestão de doces e de frituras, aceleram o processo de degradação das fibras colágenas, determinando o nosso envelhecimento extrínseco. Clinicamente, manifesta-se como rugosidade, perda de elasticidade, rugas finas, discromias.

Logo, para prevenção à degradação do colágeno, devemos manter hábitos de vida saudáveis, controlando a exposição solar e tendo uma dieta equilibrada. Alimentos e suplementação ricos em vitamina C, silício orgânico e aminoácidos são positivos para a redução da degradação do colágeno.

Fontes: Sayuri Yuge, médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e Thaís Bittencourt Teles, médica dermatologista e dona da clínica Pelle Vitta.

 

Bate bola com a especialista Sayuri Yuge:

Existem formas de prevenir a perda e a falta de colágeno? Como é possível repor?
Sim. Dependendo do objetivo, existem vários tipos de reposição de colágeno: colágeno específico para pele, cabelos e unhas, colágeno para as articulações (geralmente prescrito por ortopedistas e reumatologistas) e colágeno específico para os músculos (ideal para atividade física). Geralmente, prescrevemos a reposição de colágeno e fazemos tratamentos na pele que aumentam a produção da proteína local.

É possível pessoas jovens já terem deficiência de colágeno? A partir de que idade a suplementação é recomendada?
Pessoas jovens, geralmente portadoras de doenças raras, como condrodisplasias, osteogênese imperfecta e síndromes como Ehlers-Danlos, podem ter deficiência precoce de colágeno. A idade para iniciar a suplementação varia, após os 30 anos, mas o ideal é consultar a sua dermatologista ou nutricionista para avaliar a necessidade de reposição.

A genética pode influenciar na presença ou na falta de colágeno?
Vários estudos têm demonstrado que a genética tem grande influência direta sobre a pele, afetando sua qualidade, velocidade de regeneração e resistência ao sol, assim como a velocidade com que o colágeno é quebrado e produzido. Esse fator reflete diretamente no envelhecimento da pele e dos demais órgãos.

Qual substância é importante na produção do colágeno?
A vitamina C é vital para a produção de colágeno, ou seja, a deficiência desta vitamina pode causar, também, deficiência na produção da proteína.

 

Nossas notícias em primeira mão para você! Link do grupo MIDIA HOJE: WHATSAPP



Comente esta notícia