14 de Julho de 2024

cotações: DÓLAR (COM) 5,43 / EURO 5,93 / LIBRA 7,05

variedades Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 09:28 - A | A

Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 09h:28 - A | A

CASO VERDADE!

Maggie meio-enforcada; a mulher escocesa que sobreviveu à forca

Mega Curioso

 

Esta história é contada de várias maneiras, mas os detalhes básicos coincidem, principalmente em seu espantoso final. Depois que se separou de seu marido, no início do século XVIII, a escocesa Maggie precisou arrumar um emprego para sobreviver e resolveu tentar a sorte nas Fronteiras, ao sul da Escócia.

Trabalhando como empregada doméstica em uma estalagem local, Maggie foi assediada pelo filho do estalajadeiro e acabou engravidando dele. Para não perder o emprego, ela escondeu a gravidez de todos, e teve o filho sem que ninguém ficasse sabendo.

Crime e castigo de Maggie

Fonte: The Spooky Isles/Reprodução

Fonte: The Spooky Isles/Reprodução

 

Porém, o bebê nasceu muito fraco e doente, morrendo poucos dias depois. Sem poder ter o seu segredo revelado e nem sequer ter condições de dar um enterro adequado ao filho, Maggie decidiu colocar o corpinho nas proximidades do rio Tweed.

Levado pelas águas, o corpo da criança foi descoberto mais tarde, e as evidências conduziram a Maggie que foi presa e levada de volta a Edimburgo para ser julgada pelo crime de esconder uma gravidez. Considerada culpada, foi condenada à forca.

O enforcamento aconteceu no dia 2 de setembro de 1721. Depois que o médico atestou a morte, o corpo de Maggie foi colocado em um caixão barato e transferido para sua cidade natal, Musselburgh, a dez quilômetros da capital, onde sua família pediu que ele fosse enterrada.

A ressurreição da enforcada

Fonte: TreckEarth/Reprodução

Fonte: TreckEarth/Reprodução

 

Mas Maggie não estava morta. O caixão de indigente onde o corpo foi transportado era arejado e, combinada com o balanço provocado pelo carrinho que o conduzia através das ruas de paralelepípedos, a ação fez com que o “cadáver” voltasse à vida, para o horror da família e dos transeuntes.

Estranhamente, os legisladores escoceses consideraram a ocorrência como uma manfestação de Deus, que supostamente teria trazido Maggie de volta dos mortos por ter perdoado os seus crimes, e assim, ela foi considerada inocente. O marido também renovou os seus votos e levou a esposa de volta para casa.

Tiveram vários filhos juntos, e Maggie viveu por mais 40 anos, respeitada e admirada pela comunidade. Quando passava pela rua, muitos a chamavam de Maggie Meio-Enforcada. E, ainda hoje, seu nome foi imortalizado no Pub Maggie Dickson, na chamada Cidade Velha de Edimburgo, hoje patrimônio mundial pela Unesco.

Nossas notícias em primeira mão para você! Link do grupo MIDIA HOJE: WHATSAPP



Comente esta notícia