23 de Julho de 2024

cotações: DÓLAR (COM) 5,57 / EURO 6,07 / LIBRA 7,20

opinião Quarta-feira, 24 de Março de 2021, 11:03 - A | A

Quarta-feira, 24 de Março de 2021, 11h:03 - A | A

OPINIÃO

Espinhos...

*GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO

reprodução

MMM

 

As flores, quando ‘faladas’, se revelam. Caminhando a humanidade vive seus ciclos, dado que o tempo é criação de quem foi criado. E de quem foi criado não se diz perfeito, mas em superação.

Do pensamento grego antigo, temos que a felicidade atende pela aritmética da realidade menos expectativa. O que querem os analfabetos funcionais? E os ingênuos políticos? A felicidade, ao que parece. Pois, então, que finquem os pés no chão, deixando a dialética fluir.

Do contrato rousseauniano aos valores kantianos da racionalidade normativa e, parando por pequena parcela de anos, o que já é sintomático, no utilitarismo de Mill, voltamos à ética socrática. Tentamos, ainda, em argumento quase que circular, nos descobrir, descortinar a vida, sob os aplausos dos valores e das necessidades, sem, contudo, ouvir Aristóteles.

‘A detida análise da realidade, a observação da natureza e dos fenômenos, a dissecação da vida e os estudos de cunho biológico transportaram-se para os campos político e ético, operando-se profunda inovação nos métodos científicos adotados até o momento. A terapia do corpo doutrinada por Hipócrates fundiu-se idealmente com a terapia da alma doutrinada por Sócrates resultando-se numa harmônica combinação dos métodos indutivo e dedutivo de conhecimento’ (Eduardo Bittar, Curso de Filosofia Aristotélica). Aristóteles é atual.

O que é eterno não pode não ser em algum momento, do que resulta que o que não é em nenhum momento não pode ser eterno (Tratado). Aqui resume o erro político de lideranças políticas, especialmente as autoritárias. Acreditam ser eternas e, considerando o tempo e mandato, não aceitam o jogo democrático da alternância.

É fácil derrubar um partido político, mas não se derruba uma ideia, uma cultura ou mesmo uma ideologia, ainda mais sem liderança consistente, pragmatismo, militância e pressupostos sinceros. Esse é o dilema, gritar não faz coro à vitória, é turba, é massa manobrável.

O pequeno burguês, por sua natureza ideológica, nada entende de referencial teórico. A pátria que pressupõe é a da mais valia.

Precisa sentir-se em segurança.

Ameaçá-lo, o põe em alerta, e passa a jogar pela canalha, inimiga da democracia.

Hoje, as coisas estão diferenciadas, a força se iguala, o que torna o estado de possível alteração institucional ainda mais perigoso. O momento é muito delicado. Na essência, as altercações políticas são sempre bem vindas, oxigenam e renovam a burocracia. Na planície, causam estragos, terror.

De Caxias a Jango seria exagero afirmar preferências políticas numa quadra tão distante; mas a verdade é que ninguém quer o exemplo dos Quadros e nem dos Vargas.

O Brasil é bem maior que os seus políticos e suas manias de grandeza e perpetuação. Afinal, o seu povo não joga as peras com seu amo.
É por aí...

*GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO tem formação acadêmica em Filosofia e Direito, autor da página EDELHO.FILOSÓFICO no Facebook e |Instagram (email: [email protected])

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.midiahoje.com.br

Nossas notícias em primeira mão para você! Link do grupo MIDIA HOJE: WHATSAPP



Comente esta notícia