MATO GROSSO, 19 de Junho de 2024

cotações: DÓLAR (COM) 5,43 / EURO 5,84 / LIBRA 6,91

geral Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 10:58 - A | A

Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 10h:58 - A | A

PREJUÍZO

CDL pede flexibilização de medida contra Covid-19 em MT e cita prejuízo de R$ 360 milhões

G1 MT

reprodução

1

 

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) em Mato Grosso pediu ao governo do estado a flexibilização do decreto que prevê medidas contra a Covid-19. A organização cita prejuízo de mais de R$ 360 milhões nas atividades comerciais do estado.

Entre as determinações do governo estão o toque de recolher das 21h até às 5h e, de segunda à sexta, os estabelecimentos devem parar as atividades a partir das 19h e seguir fechados até às 5h.

Segundo a CDL, diante do forte impacto econômico, sem reversão para muitas empresas mato-grossenses, os mais de 18 mil associados elaboraram um documento solicitando ao governador do estado.

O documento foi protocolado na Casa Civil na quinta-feira (4).

No documento a CDL relata que o momento da saúde pública é grave e requer atenção, porém, é preciso se ater também no impacto que as medidas restritivas podem causar para a economia mato-grossense.

“As medidas impostas pelo decreto poderão resultar na falência de empresas, consequentemente o fechamento de postos de trabalho formais e perda de renda de muitas famílias. Estima-se que durante os 15 dias de duração do decreto poderá causar um prejuízo para as atividades econômicas próximo a R$ 360 milhões, destacando que somente nas atividades de bares e restaurantes o prejuízo estimado é de R$ 154 milhões”, pontuou a CDL.

 

A organização pede flexibilizações nos horários e sugerem algumas ações ao governo que podem ajudar no controle da disseminação do coronavirus, tais como: implantação de protocolos para monitoramentos de sintomas iniciais; intensificação na imunização da população com vacina e outros.

Também pede a reativação de UTIs e/ou hospitais de campanha; utilização de prédios públicos, como estádios e ginásios para atendimento à população; intensificação das fiscalizações em estabelecimentos que não cumprem os protocolos de biosseguranças; campanhas de conscientização e distribuição de materiais orientativos.

O documento reforça que os empresários já adotam as medidas de biossegurança.

 

Decreto do governo

  • Toque de recolhe das 21h até às 5h
  • De segunda à sexta, os estabelecimentos devem parar as atividades a partir das 19h e seguir fechados até às 5h
  • Aos sábados e domingos, poderão funcionar somente até às 12h
  • Farmácias, serviços de saúde, funerárias, postos de gasolina (exceto conveniências), indústrias, transporte de alimentos e grãos, e serviços de manutenção de atividades essenciais, como água, energia e telefone, poderão seguir abertos normalmente
  • Nos horários permitidos, os comércios deverão respeitar as medidas de segurança, como o uso de máscara, distanciamento e limitação de 50% da capacidade máxima do local
  • Eventos podem ocorrer dentro do horário permitido, respeitado o limite 30% da capacidade do local, e número máximo de 50 pessoas
  • Os serviços de entrega por delivery seguem autorizados até às 23h
  • O transporte coletivo e por aplicativo podem funcionar normalmente
  • Nos órgãos públicos estaduais, fica suspenso o atendimento presencial em todas as secretarias e órgãos do governo, com exceção das unidades finalísticas. Quanto a jornada de trabalho, cada secretaria/autarquia vai disciplinar medidas para redução do fluxo de pessoas.

Nossas notícias em primeira mão para você! Link do grupo MIDIA HOJE: WHATSAPP



Comente esta notícia